Celebração de ação de graças pelo primeiro Bispo Anglicano do Paraguai

Uma celebração em ação de graças pela vida e ministério do primeiro bispo do Paraguai, Revmo. Douglas Milmine, aconteceu na Inglaterra após sua morte, aos 95 anos. Nascido na Grã-Bretanha, Douglas Milmine atuou como missionário na América do Sul por mais de 30 anos.

Em 1954 ele se colocou a serviço da South American Missionary Society (SAMS – ou Sociedade Missionária Sul-Americana) e partiu da Inglaterra em direção ao Chile com sua esposa e quatro crianças pequenas. Seu filho, Ian, lembra-se da experiência: “Eu tinha seis anos quando meus pais me levaram para a América do Sul. Refletindo sobre isso anos depois, me impressiona o quão valentes eles devem ter sido. Minhas lembranças de sua primeira colocação no Chile era de um lugar com uma quantidade extraordinária de chuva e a necessidade de mover as camas pelos vazamentos do teto! Meus pais também saíam nessas condições, a cavalo, no meio da noite para dar assistência médica para a população indígena sofrendo de tuberculose, que era endêmica”.

Ele criou uma igreja com uma comunidade vibrante no sul do Chile, algumas centenas de quilômetros ao sul de Santiago; ele posteriormente foi designado para a capital, onde ministrou à população indígena que se dirigia para a cidade me busca de trabalho; em 1963 foi indicado como Arcediago do Norte do Chile, Bolívia e Peru.

Douglas Milmine voltou à Grã-Bretanha em 1969 para trabalhar para a SAMS, mas descobriu-se novamente na América do Sul quatro anos depois quando o bispo do Paraguai e do Norte da Argentina renunciou para assumir a presidência da Comunhão Anglicana do Sul da América. O Paraguai se tornou em uma nova, única diocese e ele foi consagrado seu primeiro bispo, servindo de 1973 a 1985.

Ao se manter com os ideais de seus missionários ancestrais, Bispo Douglas foi entusiástico em promover a educação entre a população indígena. Seu filho lembra-se do comprometimento do pai nesta área: “Ele pressionava para que fosse concedida cidadania à população indígena, e ele foi fundamental em garantir a terra que precisavam para estabelecer comunidades. Ele apoiou a tradução do Novo Testamento em suas línguas e seu propósito sempre foi para que os habitantes locais tomassem conta de suas comunidades. Tão recentemente como o último Natal, ele ficou entusiasmado quando soube que doze jovens cristãos de comunidades indígenas foram ordenados”.

O Bispo Douglas teve um grande esforço físico para ministrar em comunidades distantes, viajando por dias para encontrar vilas remotas: “Ele sempre disse que seu maior amigo era um pastor indígena chamado Felix, que o levaria a cavalo. Deve ter sido desgastante para sua força física. Felix foi seu tradutor com as comunidades indígenas”.

Nascido no sul da Inglaterra em 1921, Douglas Milmine aprendeu teologia na St Peter’s College Hall, Oxford, onde seus estudos foram interrompidos pela Segunda Guerra Mundial. Com 22 anos, ele voava em missões sobre a França e Alemanha, mas em sua oitava missão, sua aeronave foi abatida até que ele foi capturado e passou o resto da guerra como prisioneiro de guerra. Ele posteriormente refletiu que, tendo sobrevivido muitos anos como aluno de um internato público inglês, até que o campo de prisioneiros não parecia tão mal. Seu filho lembra-se de uma infância recheada de histórias dessa época: “Por exemplo, como ele estabeleceu grupos de estudos da Bíblia nas celas do campo e de como eles enganavam os guardas ao se moverem durante as contagens da manhã! Uma maneira de fazer com que nos uníssemos com a família em oração de noite era nos contando essas histórias”.

Após a desmobilização, Douglas Milmine foi ordenado em 1947. Seus serviços para a Comunhão Anglicana foram reconhecidos pela honraria honorária de Commander of the Order of the British Empire (CBE) em 1983. Ao se aposentar na metade da década de 1980, ele voltou para a costa sul da Inglaterra e serviu como bispo assistente honorário na diocese de Chichester.

Douglas Milmine publicou uma autobiografia, Stiff Upper Smile, assim como uma história do anglicanismo na América do Sul. Ele deixa sua esposa, Rosalind, três filhos e uma filha.

Publicado em 22/03/2017 no site Anglican Communion News Service.