Secretário-Geral emite declaração elucidando eventos que antecederam o ACC

ACC-2016 LusakaO Escritório da Comunhão Anglicana (ACO) emitiu uma declaração em resposta aos recentes comentários que antecederam o encontro do Conselho Consultivo Anglicano, ACC-16.

  1. Declarações que circulam sobre a falta de acompanhamento das decisões do Encontro de Primazes de janeiro de 2016, na melhor das hipóteses, dão uma falsa impressão. Os termos da decisão dos primazes sobre a Igreja Episcopal (TEC) foram acompanhados da melhor maneira legal e possível. Afirmar o contrário é enganoso e errado.
  2. O Arcebispo de Cantuária cumpriu suas responsabilidades e solicitou aos membros de organismos ecumênicos e interconfessionais que são da TEC e cujas indicações são por eles controladas, a se afastarem, e assim eles procederam. Adicionalmente, como requisitado, ele indicou um grupo de trabalho com representantes de toda a Comunhão.
  3. O Arcebispo Justin recusou-se a participar de qualquer resposta pública para as declarações e especulações de qualquer parte antecipadamente ao ACC, mantendo contatos pessoais e privados com os primazes desde a reunião. Sempre foi sua intenção conversar direta e pessoalmente com os membros da ACC, respeitando seus papéis e responsabilidades.
  4. Foi comentado que ter um representante da TEC participando do Comitê Permanente como sendo uma brecha da decisão da reunião dos primazes. Como o Comitê Permanente é um organismo administrador regido sob a lei inglesa, ele não pode ser removido sem uma causa legal, e nem os primazes ou o Arcebispo de Cantuária, ou tampouco o Conselho Consultivo Anglicano, podem sobrepor a lei.
  5. Sob a Constituição do ACC, ninguém que é reconhecido como delegado de uma Província membro pode ser impedido de ser nomeado ao Comitê Permanente. No entanto, durante o primeiro dia de trabalho, o Arcebispo Justin apresentou um relatório do Encontro de Primazes ao ACC. Como prometido, ele solicitou ao ACC que trabalhasse com os Primazes pelo bem de toda a Comunhão.
  6. Ele disse “Como Arcebispo de Cantuária (é um instrumento separado) atuei com a decisão dos primazes nas áreas que tenho responsabilidade. É tanto meu desejo, esperança e orações, como dos primazes, que o Conselho Consultivo Anglicano também deva compartilhar o trabalho pelas consequências de nossos relacionamentos debilitados”.
  7. Também houve sugestões de ações criminais de falsificação e corrupção nas quais foram mencionados o Arcebispo de Cantuária e funcionários do Escritório da Comunhão Anglicana.
  8. É prática do ACO reservar os voos e cobrir os custos de todos os delegados que participam das reuniões do ACC, apesar de alguns optarem por cobrir seus próprios custos. É dissimulado nesta ocasião insinuar que isto estabelece a prática de corrupção. As passagens foram reservadas muito antes de qualquer indicação de não comparecimento por um pequeno número de províncias.
  9. As insustentáveis alegações públicas de falsificação contra alguns membros da delegação queniana são grosseiras e falsas, e realizadas de maneira contrária aos princípios bíblicos de bom comportamento.

Arcebispo Josiah Idowu-Fearon,

Secretário-Geral da Comunhão Anglicana

Publicado em 11/04/2016 no site Anglican Communion News Service.