Diretores da Comunhão Anglicana relatam uma ampla gama de iniciativas

ACC-2016 LusakaFortalecer o discipulado e enfrentar a desigualdade de gêneros; promover a reconciliação e apoiar o trabalho humanitário em áreas de conflito e pós-desastres – são apenas alguns dos tópicos destacados quando os diretores de departamentos da Comunhão Anglicana relataram seu trabalho na ACC-16 durante esta semana.

Diretor de missão, John Kafwanka, falou da condução em promover boas práticas, compartilhar recursos e adotar grandes cooperações. Ele falou sobre as conexões formadas por dioceses companheiras como um importante alicerce no qual os relacionamentos são mútuos e interdependentes, e são um maravilhoso sinal dos Laços de Afeição. John também falou sobre o novo Youth Awards (Prêmios da Juventude), criado para encorajar a inovação e ressaltar os trabalhos bem-sucedidos.

“Juntando os pontos” foi a maneira pela qual a diretora para Mulheres e a Igreja na Sociedade, Terrie Robinson, descreveu seu trabalho. Terrie pintou um quadro sombrio do mundo enfrentado por muitas meninas e mulheres – do casamento forçado; mutilação genital feminina; violência sexual na guerra; tráfico e ameaça do chamado crime de honra. Ela disse que a mudança é difícil de alcançar, mas os anglicanos estavam respondendo – e explicou que seu papel era contar as histórias das iniciativas bem-sucedidas e fazer lobby no mais alto nível por mudanças.

A resposta positiva dos anglicanos em face de uma torrente de crises humanitárias pelo mundo foi o tema do relatório feito por Flora Winfield, representante da Comunhão Anglicana na ONU de Genebra. Ela descreveu seu papel como “trabalhar em prol das pessoas mais desconsideradas do mundo”.

Ela disse que a Igreja frequentemente forneceu um “excelente serviço” mesmo quando anglicanos também estavam sofrendo as consequências dos desastres. Agências de ajuda humanitária rangiam sob a pressão da demanda por elas, mas a Comunhão providenciou ajuda em terra, rapidamente e com amor. Flora explicou seu papel em educar a Igreja sobre as instituições da ONU – e aumentar a “educação da fé” dentro da ONU – e sua parte no trabalho ecumênico e inter-religioso.

Os membros do ACC também escutaram o diretor do Indaba Continuado, Phil Groves, sobre como esta iniciativa uniu as pessoas de lugares diferentes como Quênia, Nova York e Índia. Phil disse que o projeto Indaba se tornou em um processo e estava sendo usado por todo o mundo para construir comunidades, energizar missões e fornecer um contexto para a resolução de conflitos.

Ele explicou como o Indaba foi usado por dois clãs querelantes no Quênia, resultando na anulação de juramentos agressivos que datavam aos anos de 1960; como foi aplicado em Burundi em face do conflito; como foi usado pela Diocese de Nova York para unir uma ampla variedade de paróquias e como o Indaba resolveu a disputa entre dalits e comunidades tribais no norte da Índia.

Andy Bowerman e Rachael Carnegie relataram o trabalho da Aliança Anglicana e seus três pilares: desenvolvimento, assistência e advocacia. Eles admitiram que a Aliança é relativamente recente e ainda está aprendendo como ter impacto – mas escuta uma ampla gama de áreas e iniciativas. Um exemplo de Rachel foi o apoio detalhado para um projeto de negócios no Quênia, enquanto Andy explicou como a Aliança ajudou a energizar uma vasta campanha de lobby na Conferência Climática COP21 em Paris.

A sessão terminou com um curto relatório sobre o novo diretor de comunicações, Adrian Butcher, que tomou seu posto pouco antes do ACC-16. Ele prestou homenagem a seu predecessor, Jan Butter, e expressou seu desejo de construir a visão do estabelecimento de uma rede de comunicações mundial. Adrian falou sobre a necessidade de treinamento e seu desejo de ver histórias positivas sobre o trabalho da Comunhão compartilhado mais amplamente e mais eficazmente no que descreveu como “esta maravilhosa família mundial”.

A maior parte dos diretores estão sediados no Escritório da Comunhão Anglicana em Londres.

Publicado em 13/04/2016 no site Anglican Communion News Service.