Curry instalado como 27º Bispo Presidente e Primaz da Igreja Episcopal dos Estados Unidos

Revmo. Curry

Bispo Presidente Michael B. Curry sorri do lado de fora da Catedral Nacional de Washington no dia 1º de novembro, após ser instalado como 27º Bispo Presidente e Primaz da Igreja Episcopal. Foto: Mary Frances Schjonberg/Episcopal News Service

por Mary Frances Schjonberg – Episcopal News Service

No início da Eucaristia de instalação no Dia de Todos os Santos na Catedral Nacional de Washington, o Bispo Presidente Michael B. Curry declarou sua bona fides à Igreja.

Após bater na porta oeste de maneira tradicional ao meio-dia enquanto o sol rompia entre as nuvens e ser admitido na Catedral pelo Revmo. Gary Hall, deão da catedral, e pela Bispa Mariann Budde da Diocese de Washington, foi solicitado a Curry “nos dizer quem é”.

“Eu sou Michael Bruce Curry, um filho de Deus, batizado na Igreja São Simão de Cirene, Maywood, Illinois, em 3 de Maio de 1953, e desde essa época procurei ser um discípulo fiel de Jesus Cristo”, respondeu ele.

“Michael, Bispo na Igreja de Deus, nós esperamos sua chegada com grande alegria”, lhe disse a 26ª Bispa Presidente Katharine Jefferts Schori. “Em nome de Cristo, nós o recebemos”, acrescentou, e a saudação foi ecoada pelas mais de 2.500 pessoas presentes.

Curry, o ex-bispo da Carolina do Norte, prometeu ser uma “ovelha e pastor fiel” e, quando perguntado por Jefferts Schori se apoiariam Curry em seu ministério, os presentes gritaram em resposta “apoiaremos”.

Com isto e com a celebração litúrgica que se seguiu, a Igreja Episcopal fez história a acolher a primeira pessoa negra como bispo presidente e primaz.

“Deus não desistiu do mundo de Deus”, Curry disse à congregação e a centenas de pessoas assistindo a celebração pela internet. “E Deus ainda não finalizou com a Igreja Episcopal. Deus tem um trabalho para nós fazermos”.

Curry se tornou oficialmente no 27º Bispo Presidente, pastor chefe e Primaz da Igreja Episcopal à meia-noite. Durante as três horas de celebração, ele recebeu assento na Catedral (a Catedral Nacional de Washington tem o assento do Bispo Primaz desde 1941). Jefferts Schori entregou a férula primacial, que ela carregou pelos últimos nove anos, e então calorosamente o abraçou enquanto a congregação entusiadamente aplaudiu e gritou em aprovação.
A música da celebração foi de cânticos anglicanos à percussão e cantar da Banda Cedarville de Índios Piscataway de Maryland, que conduziram os 155 bispos da Igreja Episcopal à cerimônia. A Banda Cedarville também tocou antes do Evangelho ser lido em Dakota pelo Rev. Brandon Mauai, diácono da Dakota do Norte e membro do Conselho Executivo. Jamey Graves e Sandra Montes cantaram “Wade in the Water” solo após os participantes renovarem sua aliança batismal e Curry, Jefferts Schori e outros aspergirem a congregação. No momento que chegaram ao altar, a congregação estava de pé cantando sozinha.

O Coral Gospel de São Tomás, da Igreja Episcopal Africana de São Tomás na Filadélfia fez com que a congregação batesse palmas e bamboleasse. E quando o Coral de Meninos e Meninas da Catedral cantou um arranjo do Hino de Batalha da República como hino do ofertório, os membros da congregação se levantaram e se juntaram no refrão final, muitos com lágrimas nos olhos.

Orações especiais foram ditas durante a celebração por representantes da Comunhão Anglicana, de comunidades ecumênicas e inter-religiosas, dentre eles o Revmo. Fred Hiltz, primaz da Igreja Anglicana do Canadá; Mohamed Elsanousi, da Sociedade Islâmica da América do Norte; Rabino Steve Gutow, Conselho Judaico para Relações Públicas; e a Revda. Elizabeth Miller, presente da Conferência Provincial dos Anciãos da Igreja Morávia.

Após Anita Parrott George, outro membro do Comitê Executivo, ler o Antigo Testamento (Isaías 11:1-9) em inglês, Fernanda Sarahi leu o trecho do Novo Testamento (Apocalipse 21:1-6a) em espanhol. E no começo da Grande Ação de Graças, Curry leu o sursum corda (erguei seus corações) em espanhol.

O animado sermão de aproximadamente 37 minutos de Curry trouxe aplausos, risadas e aclamações de aprovação da congregação. Ele, as vezes, abriu seus braços amplamente sobre a multidão, ergueu suas mãos e exclamou, abaixando sua voz e unindo suas mãos em outros momentos para apresentar sua argumentação.

Curry tocou várias vezes em seu sermão no tema da evangelização e reconciliação, chamando isto de “alguns dos trabalhos mais difíceis possíveis”.

“Mas não se preocupem”, disse ele. “Nós podemos fazer isto. O Espírito Santo já fez este trabalho antes com a Igreja Episcopal. E isto pode ser feito novamente para um novo dia”.
Ele chamou a uma evangelização que é “genuína e autêntica para nós como episcopais, não de uma maneira que imita ou julga qualquer outro” e é sobre “ajudar os outros a encontrarem seu caminho a um relacionamento com Deus sem nossa tentativa de controlar o resultado”. Esta evangelização, disse ele, deveria envolver tanto o compartilhar da fé que está em nós como escutar e aprender da experiência dos outros.

Curry disse que a reconciliação racial é “apenas o começo para o árduo e sagrado trabalho de verdadeira reconciliação que compreende a justiça através de todas as fronteiras e limites que dividem a família humana de Deus”.

O Bispo Presidente reconheceu que este é “um trabalho difícil, mas nós podemos realizá-lo. É sobre escutar e compartilhar. É sobre Deus”.

Ele agradeceu Richard Schori, marido de Jefferts Schori, e então se direcionou à 26º Bispa Presidente. “Em uma época que frequentemente há debates e genuína consternação corajosa ou não, se é possível uma liderança efetiva, nós podemos dizer ao mundo que tivemos uma liderança, e seu nome é Katharine Jefferts Schori”, disse Curry aos aplausos com uma congregação ovacionando de pé.

Trecho de artigo escrito por Mary Frances Schjonberg e publicado pelo Episcopal News Service no dia 01/11/2015.